Assentamentos

O Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia beneficia 2.730 famílias de assentados e assentadas localizados na região oeste do Pará, nos territórios da Transamazônica, Baixo Amazonas e Br-163. O projeto beneficia diretamente 3 assentamentos de reforma agrária com tamanhos e configurações distintas:

 

Região Oeste do Pará Indicando assentamentos beneficiados pelo Projeto

Região Oeste do Pará Indicando assentamentos beneficiados pelo Projeto

 

Região Transamazônica

Projeto de Assentamento Bom Jardim

O PA Bom Jardim, está localizado no município de Pacajá, cerca de 215 km de Altamira e 600 km de Belém, tem capacidade para 876 famílias. O PAS atualmente beneficia 100 famílias no assentamento com Assistência Técnica e Extensão Rural. O IPAM realizou a revisão do Plano de Recuperação do Assentamento (PRA) em 2014 e atualmente ele está no INCRA para aprovação.

Bom Jardim

Núcleo de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)

Composto majoritariamente por famílias que participaram do antigo programa Proambiente do Governo Federal, o núcleo PSA se estende pela Rodovia Transamazônica, englobando os municípios de Senador José Porfírio, Anapu e Pacajá. São 350 famílias selecionadas para um projeto piloto de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), onde dentro de critérios de participação e monitoramento recebem pagamentos trimestrais pelo desmatamento evitado.

Nucleo PSA

Região BR – 163

Projeto de Assentamento Cristalino II

O PA Cristalino II está localizado no município de Aveiro, cerca de 80 km de Itaituba e 1350 Km de Belém. A capacidade de famílias no PA Cristalino é de 110 famílias. Atualmente o IPAM beneficia 49 famílias com Assistência Técnica e Extensão Rural.

Cristalino

Região Baixo Amazonas

Projeto de Assentamento Moju I e II

O PA Moju I e II está localizado no recém criado município de Mojuí dos Campos, a 34 km de Santarém e 1300 km de Belém, tem capacidade para 1590 famílias e atualmente o IPAM beneficia 151 famílias com Assistência Técnica e Extensão Rural.

 

Moju

 

tabela8

 

Veja a seguir depoimentos de alguns assentados e assentadas quanto ao projeto:

 

DEPOIMENTOS

Maranhão

Antonio Pereira Marques, mais conhecido como Maranhão – PA Moju

“Estou apostando no projeto PAS e que o trabalho vai dar certo. Que possa vir ações de mecanização para ampliar o plantio de mandioca. Porque plantar mandioca em terra mecanizada é uma coisa, plantar em terra de toco é outra, dá para observar que não tem um bom rendimento. Conto com apoio do IPAM e que o trabalho seja fortalecido cada vez mais no assentamento. “

Sr. Genivaldo Araújo

 

 

Sr. Genivaldo Araújo – Presidente da ASCRAN – Território da Transamazônica:

“As associações de produtores rurais não são reconhecidas como instituição por parte do governo, prefeituras e secretarias, sendo este um grande problema enfrentado por estas organizações, o IPAM e a FVPP tem promovido esse reconhecimento, ajudado na elaboração do projeto aprovado junto ao Fundo Dema e também na sua execução possibilitando maior facilidade na aquisição de melhorias para o assentamento”. 

Sr. Siríaco

Sr. Siríaco Pereira – Beneficiário do projeto Núcleo PSA:

 “A equipe do PAS nos ajuda muito não só com orientação, mas também com materiais para aplicarmos o que aprendemos. Vale muito a pena os esforços feitos por todos, porque as roças estão cada vez melhores e agora acredito que conseguirei aumentar minha produção”.

 

 

foto1

Adezuito Teixeira Braga, Comunidade Pilão Poente, Transamazônica:

“A experiência que a gente tem, juntamente com o conhecimento do IPAM, contribui para que a gente possa evitar o uso do fogo e contribuir de fato com o respeito ao meio ambiente”.

 

 

 

foto2Esperdião Linhares de Souza, Vicinal 320, PA Bom Jardim, Transamazônica:

“Eu espero muito do PAS por causa da tecnologia. Eu tenho vontade de produzir cacau, mas eu não sei trabalhar a terra para cacau, eu tenho vontade de produzir peixe, mas não sei e não tenho condições de mandar fazer o tanque, eu não tenho se quer conhecimento qualquer de criação de peixe”.

 

 

foto3Adelaide Souza da Silva, Comunidade Serra da Fumaça,

PA Cristalino II, BR-163

““A gente espera que melhore com esse projeto de assentamentos sustentáveis na Amazônia, porque há muita dificuldade da gente produzir mais. É bastante longe pra gente carregar, chega  tudo desorganizado e não sai tudo na qualidade como a gente esperava que saísse por falta de estrutura para produção de farinha”.

foto4Valber Monteiro, Representante do STTR de Pacajá, território Transamazônica, PA

“Confio no projeto, porque eu acredito que o produtor precise de assistência técnica, de apoio para que ele possa desenvolver seu trabalho na agricultura, e com esse projeto os produtores irão se firmar em suas propriedades, irão ter mais conhecimento de desenvolver seu trabalho sem agredir o meio ambiente”.

 

 

foto5Raimundo Valente, comunidade Faveira, PA Moju I e II, Território Baixo Amazonas

“ [o PAS] é um projeto que vai ser muito importante, até porque o IPAM é um órgão  sério que nós tratamos e temos como parceiro, porque o povo do PA Moju é um povo desprezado. Hoje esse é um projeto, com certeza, que para nós vem alavancar a agricultura, incentivar as pessoas a ficarem nos seus lotes e confiamos em Deus que haverá uma grande evolução no assentamento desse trabalho do IPAM para os agricultores”.

 

 

foto6Sérgio Sonsin, Comunidade Bom Jesus, PA Cristalino II, Aveiro, região BR 163

“Deve haver um meio mais fácil pro agricultor. Se eu quero mexer com cupuaçu, com peixe, com gado de leite, tem que ter um técnico junto comigo, sempre incentivando, explicando para não fazer o investimento errado, como aconteceu no passado”.

 

 

 

*Imagens e relatos concedidos ao PAS perante Termo de Autorização de Uso de Imagem.